Introdução ao Ubuntu 14.10 – Utopic Unicorn


Em meados de outubro do ano passado a Canonical, empresa responsável por manter o Ubuntu, liberou oficialmente a nova versão do sistema operacional Linux, o Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn. Hoje, passados alguns meses do lançamento, o sistema operacional já recebeu algumas atualizações e correções, o que o torna muito mais estável para o usuário comum. É por este motivo que vamos passar aqui algumas informações básicas sobre as principais alterações do sistema, com objetivo de guiá-lo no uso e apresentar algumas vantagens de tê-lo em sua máquina!

Mas afinal, o que é e quem utiliza o Ubuntu?

De maneira resumida, podemos definir o Ubuntu como um sistema operacional baseado em Linux, desenvolvido e atualizado por uma comunidade de usuários e desenvolvedores. Ele é completamente gratuito, e vem completo para o uso do dia a dia, com ferramentas de edição de textos, planilhas, navegadores de internet, players de músicas, etc. Tudo o que você sempre fez com o Windows em sua máquina consegue fazer com esse sistema, com a diferença de não pagar nada pelo uso, nem dele e nem dos softwares que instala e usa. 

Hoje no mundo, o número de usuários do sistema operacional já ultrapassa os 12 milhões de usuários em todo o mundo. Além do crescente número de usuários domésticos, segundo a HostGator, 58% dos servidores que utilizam Linux tem instalado ou Ubuntu ou Debian, por dois motivos principais: a velocidade e a segurança. No caso do Debian, a preferência é dos desenvolvedores PHP e Python, enquanto o Ubuntu é o preferido entre os desenvolvedores Ruby e Javascript. 

É natural que comprar o número de usuário do Ubuntu com o número de usuário Windows não é justo, mas não deixa de ser um número expressivo para um sistema gratuito.

Como baixá-lo e instalá-lo?

Para fazer o download é simples: basta acessar o endereço http://www.ubuntu.com/download/desktop e clicar em Download. Ele irá fazer o download de um arquivo .ISO, que você deverá gravar em CD para posteriormente instalar em sua máquina.

Nota: Para gravação de CDs veja nosso tutorial sobre o InfraRecorder.

A instalação é bastante intuitiva e deve ser iniciada da mesma maneira que o Windows (colocando a mídia no leitor, reiniciando a máquina...), mas prepararemos um tutorial completo, ensinando o passo a passo da instalação.

Nota: Veja também o tutorial de instalação da versão 10.10 do Ubuntu nesse link: Como instalar o Ubuntu.

As novidades da versão 14.10

Em relação a sua antecessora – 14.03 – esta nova versão, numa primeira vista, não parece trazer tantas novidades, o que causou grande decepção entre a comunidade de usuários. Podemos resumir as alterações mais significativas em: melhorias e otimizações no desempenho, correções de bugs e otimização na estabilidade geral do sistema. 

O sistema também está um pouco mais rápido e leve, o que é excelente para os donos de computadores mais modestos que querem voltar a usar a máquina sem travamentos. 

Também já está disponível uma nova versão do Kernel, a 3.18, o que é um grande passo, pois além de trazer mais estabilidade para as aplicações de uma maneira geral e na velocidade do sistema, também traz suporte a diversos hardwares que antes não era instalável, como a nova linha de GPUs Radeon da AMD e dispositivos de entrada da Razer voltados para gamers. 

Os desenvolvedores também conseguiram melhorar claramente a experiência de áudio e vídeo do sistema, o que é um outro ponto que se esperava há tempos pela comunidade. 

Vale a pena?

Essa talvez seja a pergunta mais comum entre àqueles usuários que passaram toda uma vida utilizando o Windows e agora querem mudar, ou entre usuários de versões mais antigas do sistema que são mais céticos em relação as atualizações.
Para responder, vamos dividir a resposta em duas:
  • Como usuário básico, que usa o computador apenas para os afazeres do dia a dia, mudar de sistema operacional assim não é fácil. Requer no mínimo um motivo muito bom, ou uma curiosidade muito grande. Apesar de existirem muitas semelhanças entre o Ubuntu e o Windows, a experiência de uso no geral é bastante diferente e requer algum tempo de uso para se adaptar. Passado por isso, acho difícil que se volte ao Windows.
  • Como usuário mais avançado que não depende de algumas soluções e aplicações que só encontramos no Windows, a melhor versão do Ubuntu ainda é a 14.04, por sua estabilidade. Esta nova versão está no caminho certo e com otimizações sendo realizadas em velocidade recorde, mas ainda tem um longo caminho para encontrar a estabilidade.